Notícias

Paranaense larga as drogas, cruza o Japão de bicicleta e vira palestrante

Paranaense larga as drogas, cruza o Japão de bicicleta e vira palestrante

Há oito anos, o produtor cultural Wilton Mitsuo Miwa, de Londrina, no norte do Paraná, decidiu livrar-se das drogas. Para se distanciar do vício, mudou-se para o Japão, de onde sua família veio, para, segundo ele, resgatar a sua própria história. Decidiu, então, atravessar o país de bicicleta, sozinho.

Miwa percorreu mais de 15 mil quilômetros em território asiático para fotografar o cotidiano e as belezas naturais do país de sua origem.

“Mudei para o Japão porque lá a probabilidade de ter contato com as drogas seria menor, então seria muito mais fácil me recuperar. Com a fotografia, descobri a melhor forma de me encontrar e também de mostrar para o Brasil como é a vida por lá”, conta o produtor.

Depois de quatro meses fotografando paisagens, mais de 10 mil fotos feitas e 47 províncias japonesas visitadas, Miwa voltou para Londrina em 2014 para incentivar o cicloturismo e também para conscientizar crianças que drogas destroem sonhos, histórias e famílias.

“Utilizo as histórias e fotos dessa grande aventura para mostrar às crianças que elas têm escolhas”, diz o produtor. Algumas imagens mostram a destruição de cidades atingidas por um tsunami, em 2013. Wilton Miwa visitou os locais por duas vezes, e nos dois momentos se impressionou com destruição.

“Mostro essas fotos para os alunos e digo que as pessoas que morreram, que foram atingidas por esse fenômeno natural não tiveram escolha. Mas, elas, as crianças, têm chance de ter um futuro melhor, elas só precisam querer”, pontua.

Em seis meses, mais de oito mil alunos de escolas municipais acompanharam as palestras de Miwa antes e depois do uso de drogas, conforme a conta dele. Durante o período, milhares descobriram que há uma possibilidade melhor.

“Muitas crianças têm pais e irmãos que são usuários de drogas e vivem essa realidade. Até mesmo na área rural a droga está muito presente. E, mesmo sendo tão pequenas, os alunos já têm consciência dos problemas que podem ocorrer na família e no meio social pela utilização de qualquer tipo de droga. A ideia é mostrar uma nova forma de encarar a vida e o mundo onde elas vivem”, diz.

Cicloturismo

Entre uma fala e outra sobre o uso de drogas, o ativista ainda fala sobre segurança no trânsito e como a bicicleta pode ser um bom veículo para conhecer novos lugares.

“No Japão, as crianças são ensinadas sobre a importância de respeitar as leis de trânsito. A conscientização é muito maior lá do que aqui. E quanto mais a população é consciente, mais seguro é o trânsito nas cidades. Quero mostrar que isso também pode acontecer aqui no Brasil. As bicicletas podem dividir espaço com os carros tranquilamente”, opina o produtor.

O produtor prepara a publicação de um livro com as fotos tiradas no Japão, mas ainda não tem previsão de quando isso será viável. A expectativa, por ora, é de que o número de palestras aumente nos próximos meses.

“A viagem foi muito importante na minha vida, mas foi algo que só foi importante para uma única pessoa. Acredito que esse trabalho que faço é muito mais grandioso do que a viagem, pois é uma alternativa para melhorar a sociedade”, ressalta.

Fonte: G1

Romae